Comunicado de Imprensa

A CIDH apresenta Resolução sobre a proteção das pessoas haitianas em situação de mobilidade humana

30 de novembro de 2021

Links úteis

Proteção das pessoas haitianas em situação de mobilidade humana

Proteção das pessoas haitianas em situação de mobilidade humana

Contato de imprensa

Imprensa da CIDH

cidh-prensa@oas.org

Lista de distribuição

Subscreva-se a nossa lista de distribuição

Washington D.C. – A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) apresenta a resolução "Proteção das Pessoas Haitianas em Mobilidade Humana: Solidariedade Interamericana", a fim de orientar os Estados da região a garantir os direitos das pessoas haitianas migrantes, refugiadas, deslocadas, apátridas e vítimas de tráfico de pessoas, relembrando aos Estados suas obrigações internacionais e os princípios da assistência humanitária, proteção, cooperação e solidariedade internacional.

Em sua Resolução, a Comissão informa sobre os principais fatores e causas da mobilidade humana das pessoas haitianas na região, assim como sobre os obstáculos enfrentados por essas pessoas nos países de origem, trânsito, destino e retorno para o acesso e o exercício efetivo dos direitos, com base no monitoramento contínuo que a CIDH realiza da situação dos direitos humanos no país, especialmente através de sua Sala de Coordenação e Resposta Oportuna e Integrada para o Haiti, estabelecida em fevereiro de 2019.

Na parte das considerações do documento, detalha-se a crise humanitária e o contexto de violência que afeta a vida de milhões de pessoas haitianas e suas famílias; os desafios relativos à segurança cidadã, às instituições democráticas e à resposta aos desastres socioambientais no país. Os Estados da região são lembrados de diversos tratados, instrumentos e convenções internacionais e interamericanos, destacando a obrigação de proteger, de prestar assistência humanitária e de garantir soluções com uma perspectiva de gênero, considerando a vulnerabilidade enfrentada pelas pessoas haitianas, especialmente mulheres, adolescentes, crianças, que estão expostas a maiores riscos de violência, como o tráfico e a exploração sexual e trabalhista.

Os chamados movimentos sucessivos de pessoas haitianas e suas famílias são gerados pela interação de fatores estruturais presentes em seu status de nacionalidade e mudanças nos contextos sociais e políticos em outros países. Isto desafia as capacidades institucionais de todos os países da região, comunidades anfitriãs e organizações da sociedade civil e pode ter repercussões a longo prazo, o que reforça a importância e aplicabilidade da Resolução, que está enquadrada dentro das funções da CIDH de assessorar e fazer recomendações para avançar na proteção integral dos direitos humanos de acordo com a Convenção Americana.

Na parte resolutiva do documento, a Comissão Interamericana formula uma série de recomendações aos Estados membros da OEA, incluindo temas como a solidariedade e a cooperação internacional; transparência e sustentabilidade; mecanismos de proteção, entrada, trânsito e saída de territórios; segurança humana nas fronteiras; luta contra xenofobia e discriminação; e direito à informação.

A Comissão lembra aos Estados que a solidariedade internacional é fundamental para a aplicação dos princípios da universalidade e da primazia dos direitos humanos em contextos como o do Haiti - que exigem uma ação coordenada - diante de crises estruturais que afetam os direitos humanos das pessoas haitianas no hemisfério. A CIDH expressa sua disposição e disponibilidade para prestar assistência técnica ao Estado do Haiti e a outros Estados da região, bem como a órgãos regionais, organizações sociais e outras instituições, para o fortalecimento das instituições e políticas sobre mobilidade humana e exorta à implementação das recomendações encontradas na Resolução.

A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato surge a partir da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão Interamericana tem como mandato promover a observância e defesa dos direitos humanos na região e atua como órgão consultivo da OEA na temática. A CIDH é composta por sete membros independentes, que são eleitos pela Assembleia Geral da OEA a título pessoal, sem representarem seus países de origem ou de residência.

No. 319/21

2:00 PM